Você está aqui: Página Inicial Notícias Comissão discute novas normas sobre gestão da inovação

Comissão discute novas normas sobre gestão da inovação

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) sediou na quinta e sexta-feira (29 e 30) uma reunião da Comissão de Estudo Especial de Gestão da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) ABNT CEE-130. Formado por representantes de empresas, centros de pesquisa e organizações da sociedade civil de diferentes estados do Brasil, o grupo se encontrou em Curitiba para elaborar o texto base da norma “130:000.00-002 – Diretrizes para elaboração de projetos de PD&I”. Segundo Paulo Roberto Santos Ivo, do Instituto de Pesquisas Eldorado (que participa das reuniões da comissão desde sua criação, em 2001), a nova norma serve de guia para que as pequenas e médias empresas desenvolvam projetos inovadores com uma metodologia bem definida. “Nós tentamos dar esse caminho para a inovação, que é a peça-chave para que o Brasil supere suas deficiências em infraestrutura e educação e se torne mais competitivo no mercado global”, disse. “Esta é uma ferramenta importante para que as empresas melhorem seu desempenho em atividades de PD&I, com mais controle de seus investimentos em inovação e, consequentemente, diminuindo os riscos inerentes”, explicou o diretor-presidente do Tecpar e coordenador da comissão, Júlio C. Felix. A previsão é de que a norma seja disponibilizada no site da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para consulta pública ainda no mês de abril. O texto final será publicado após as contribuições da sociedade. Assim como a outra norma elaborada pela comissão, ABNT NBR 16501, publicada em dezembro de 2001, esta não tem caráter obrigatório – são diretrizes para empresas de qualquer porte e ramo de atividade desenvolver projetos de PD&I. Junto com a nova norma, será lançada uma terceira sobre terminologia, para facilitar a compreensão dos textos. Para complementar o trabalho, a comissão estuda ainda a elaboração de uma outra norma sobre vigilância tecnológica, ainda sem data prevista. Na avaliação de Fabrício Martins, da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do de Minas Gerais, o desafio é reunir as experiências dos diversos atores envolvidos na elaboração da norma – empresas, consultores, agentes governamentais – e difundir a informação. “A inovação é um grande mistério para as pequenas e médias empresas e universidades do interior do Brasil. Essas normas ajudarão muito pesquisadores e empresas que estão entrando nesse universo agora. Eles terão as diretrizes mínimas para a criação de um projeto bem estruturado que facilite a busca de fomento, financiamento e o desenvolvimento com recurso próprio”, disse Martins. Segundo a assessora para a unidade de inovação e tecnologia do Sebrae, Hulda Oliveira Giesbrecht, a entidade vai formatar cursos e consultorias para auxiliar os empresários no entendimento e aplicação das normas. “As normas técnicas auxiliam as empresas a inserir práticas para inovar continuamente, porque o processo de inovação não é estanque. Deve-se melhorar processos sempre tendo uma postura inovadora”. ABNT – O acervo da ABNT tem aproximadamente 9 mil normas técnicas. São padrões que no passado eram mais voltados à conformidade de produtos, mas atualmente abrangem também serviços, processos e procedimentos das diversas áreas do conhecimento. Normalmente, a elaboração de uma norma começa com uma demanda da sociedade à ABNT, que, a partir daí, constitui comissões de estudos para a sua produção. O secretário executivo da comissão, Eduardo Silva Lima, explica que esse tipo de grupo é aberto ao público e reúne todas as partes interessadas. Segundo ele, normas nacionais podem ser internacionalizadas por meio de sugestão à Organização Internacional de Normatização (ISO). “É o caso do que vai acontecer agora com as normas de PD&I”, afirmou. A ISO reúne representantes de 170 países. Após o pedido de internacionalização de uma norma, a entidade nomeia um comitê composto por representantes de países interessados, que cumprem um rito de análises e correções do texto, levando em média três anos até a publicação. Fonte: http://www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=68341&tit=Comissao-discute-novas-normas-sobre-gestao-da-inovacao

Ações do documento
Share |